segunda-feira, 27 de agosto de 2012

04 meses

Sabadão Pablo completou quatro meses, ainda parece que foi ontem que eu tava grávida, que ele nasceu, que era um rn pititico e hoje vejo esse bebezão delícia, todo trabalhado nas dobrinhas.

Aos quatro meses Pablito: distribui muitoosss sorrisos; dá gargalhadas das brincadeiras com mamãe e com papai; pega os brinquedinhos; coloca tudo na boca; sorri pra mim mesmo quando estou longe; dá sorrisinho e fica todo envergonhadinho quando chego de surpresa no berço; pega as roupinhas (adora segurar as roupinhas quando estamos trocando a fralda); pega os pézinhos (delícia, isso começou exatamente na semana que ia completar os quatro meses; dá impulso com as perninhas no trocador, vai pra trás e quase cai, quase rola no berço e no trocador; faz força pra sentar quando colocamos ele no nosso colo quando estamos sentados; faz da mamãe a pessoa mais feliz. :)

O horário do sono (noturno) ele adaptou nauralmente ao nosso horário, que é o horário do papai que chega em casa de madrugada, rs, ou seja, vamos dormir muito tarde e acordamos tarde, Pablito acorda pra mamar umas três vezes, em média. Durante o dia brincamos na cadeirinha de balanço dele, no bercinho, na cama da mamãe, assistimos desenho, tiramos sonequinhas no colo da mamãe (às vezes até consigo colocar no berço ou carrinho sem acordar, mas é raro) e mamamos muito, durante o dia é muito mesmo.

Começamos a notar também que Pablinho agora lembra um pouco a mamãe, rs, nasceu a cara do pai, é a cara do pai, mas já notamos alguns traços da meus, poucos, mas estão lá. O cabelinho ainda tá caindo bastante, nascendo e tudo indica que será castanho como o meu, vamos ver. Agora já acho que o narizinho é uma mistura do meu e do marido, assim como a boca, que é 98% papai, mas acho que tem 2% meus ali. As sombrancelhas estão mais grossas, bem marcadas e são parecidas com as minhas. Mas quando dorme ele se mexe muito, muito mesmo, igual ao pai, vira de um lado pro outro o tempo todo, uma graça.

E o que euzinha aqui mudei aos quatro meses de Pablo?! Choro, choro muito, choro pelo fim da licença maternidade (isso merece um post a parte), choro de amor por ele, choro de pensar na saudade que irei sentir quando voltar a trabalhar (choro por antecipação, é normal?!) e amo, amo, amo cada vez mais a cria. Ahhh, e queria conseguir atualizar mais esse blog, registrar mais os acontecimentos...








quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A gargalhada e uma mãe abestalhada

Ele fala (uma amostra de sonzinhos da língua bebezística), dá gritinhos, acompanha o som, as pessoas se movimentando, descobriu a mãozinha, chupa os dedos (às vezes a mão inteira) e outras coisitas lindas, isso tudo já há algumas semanas. Algumas coisinhas desde um pouco antes do terceiro mês, mas foi no domingo, que antecedeu o dia dos pais, que ele deu um presente deliciosamente fofo pra nós: sua primeira gargalhada.

Não apenas uma gargalhada, mas uma gargalhada deliciosa, de bebê, de bebê fofo, de bebê delícia...como aconteceu? Ah sim, 2h da manhã (na verdade já era oficialmente segunda-feira), mamãe passando as roupas do baby, porque enfim é um horário bom pra isso #not, papai distraindo o baby que não tava afim de dormir e resolveu ir pra cozinha mostrar o reflexo dele no microondas. E começou aquela velha brincadeira "Cadê o Pabloooo?!..Achou!!", pronto! O baby olhou o seu reflexo no microondas e soltou uma d-e-l-i-c-i-o-s-a gargalhada, bem demorada, com todo aquele sorriso banguelo lindo. E a mãe? Largou o ferro, saiu correndo pra ver, pra babar e pra chorar (gente, a emoção faz parte do ser mãe).

Chorei, queria filmar, queria tirar foto, queria só ver, queria babar, queria apertar, corri pela casa atrás de alguma máquina fotográfica (sou fotógrafa, isso deveria ser fácil), não encontrei, não enxerguei, procurei o celular do marido que tem uma câmera melhor, não achei, voltei pra cozinha pra tentar filmar tudo com o olho, chorei mais um pouco, sorri, babei, lembrei que só ficaria na minha memória e não ia dar pra compartilhar, pra rever com detalhes e tal, voltei a procurar uma câmera, porammm, as câmeras fugiram...finalmente acho o meu espertophone, com câmera não tão boa, mas fazer o que, vai esse mesmo e finalmente filmei, vi, revi, mostrei, i-n-ú-m-e-r-a-s vezes. A sorte é que a brincadeira rendeu, ele gargalhou muito, tanto que deu soluço, tadinho.

Bom, não sei se é normal, mas fico assim boba/besta/choro/babo/filmo várias delicinhas dessas...o fato é que nunca fui muito normal mesmo...:P

sábado, 4 de agosto de 2012

Enquanto ele mama - para registrar

A hora da mamada é especial por si só, mas também ê nessa hora que pequenas grandes fofurices acontecem e nos deixam mais bobas ainda.

Quando Pablinho tinha um pra dois meses, acho, começou a segurar a milha blusa enquanto mamava, segurava o sutiã, a camisola... E segura de verdade mesmo, como se fosse pra não deixar a mamãe escapar rs. E a outra mãozinha que fica nas nossas costas passando, puxando a blusa?! Ahh uma delícia.

E agora aos três meses, mais especificamente desde quarta-feira, eis que Pablinho tá mamando, eu começo a falar com o papai e ele larga o peito levanta a cabecinha e me olha como quem quer saber o que eu tô falando, ou é só pra me dizer que tô atrapalhando a mamada dele, rs. Em algumas mamadas ele faz isso inúmeras vezes, larga o peito, levanta a cabecinha, olha nos meus olhos e abre um sorrizão, hehe, solta uns sonzinhos pra gente conversar um pouco, faz motorzinho, enfim é o nosso momento, único, delicioso e muito comunicativo.